Quem tem diabetes pode fazer a dieta Cetogenica

Quem tem diabetes pode fazer a dieta Cetogenica?

Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é a dieta cetogenica?

A dieta cetogenica, ou dieta Keto ou dieta da proteína, é na verdade uma dieta para perder peso, mas quem tem diabetes pode fazer a dieta cetogenica?

Acontece que os cientistas, até a data de 12/07/2021, ainda estão estudando como a dieta cetogenica afeta as pessoas com diabetes, aqui está o que sabemos até agora.

A dieta cetogenica é um plano alimentar com baixo teor de carboidratos e alto teor de gordura.

Nessa dieta a maior parte do que você come é gordura, sejam gorduras insaturadas, como nozes, sementes e abacates , ou gorduras saturadas, como manteiga e óleo de coco .

Cerca de 20% -30% de sua dieta é composta de proteínas , magras (como peito de frango) ou gordurosas (como bacon ).

Você deve limitar estritamente os carboidratos, mesmo aqueles que são considerados saudáveis, como feijão, alimentos integrais , leite e muitos tipos de frutas e vegetais .

Na dieta cetogenica , você come menos de 50 gramas de carboidratos por dia. Para se ter uma ideia, uma maçã média tem 25 gramas de carboidratos.

Como funciona?

Normalmente, seu corpo se abastece de açúcar, ou glicose dos carboidratos.

Depois de alguns dias de dieta Keto, seu corpo fica sem glicose. Então, ele começa a queimar gordura corporal. Isso é chamado de cetose nutricional . Ele cria substâncias de ácidos graxos chamadas cetonas, que seu corpo pode usar para gerar energia.

Cetose vs. Cetoacidose

Se você tem diabetes, é importante entender a diferença entre cetose nutricional e cetoacidose .

Ambos envolvem as cetonas. Mas a cetoacidose é uma condição perigosa que ocorre quando seu corpo não tem insulina suficiente e as cetonas se acumulam em excesso. Os sintomas incluem sede excessiva, urinar com frequência, confusão e fraqueza ou fadiga . É mais comum em pessoas com diabetes tipo 1 do que tipo 2.

A cetose ocorre em níveis muito mais baixos e seguros de cetonas do que a cetoacidose. Na verdade, esse processo acontece no dia a dia, dependendo da quantidade de carboidratos e proteínas que você ingere. É o estado que pode levar à perda de peso, especialmente a gordura da barriga , e diminuir a hemoglobina glicada (A1c) para muitas pessoas com diabetes.

Dieta cetogenica funciona para diabéticos?

A pesquisa sugere que as pessoas com diabetes tipo 2 podem emagrecer e baixar a glicose no sangue com a dieta cetogenica.

Em um estudo, pessoas com diabetes tipo 2 perderam peso , usaram menos medicamentos e reduziram sua A1c quando seguiram a dieta cetogenica por um ano.

Se você é resistente à insulina – o que significa que tem níveis altos de glicose no sangue, porque seu corpo não está respondendo à insulina – você pode ter benefícios com a cetose nutricional, porque seu corpo precisará e produzirá menos insulina.

Existem poucos estudos sobre a dieta cetogenica para diabéticos tipo 1. Apenas um pequeno estudo descobriu que ajudou as pessoas com diabetes tipo1 a baixar a hemoglobina glicada , mas precisamos de muito mais pesquisas para ter certeza dos efeitos da dieta cetogenica para diabéticos tipo 1.

Lembre-se de que a maioria dos estudos analisou apenas os resultados de curto prazo da dieta cetogenica. Não está claro se funciona como um tratamento para diabetes a longo prazo.

Se você decidir fazer a dieta cetogenica, saiba que pode ser difícil mantê-la. A quantidade muito baixa de carboidratos na dieta é uma grande mudança para a maioria das pessoas.

A melhor dieta para diabéticos deve ser um plano de refeições que você possa seguir, feito por um nutricionista especializado e com graduação em diabetes.

Quais os efeito da dieta cetogenica no tratamento da diabetes

Isso depende do tipo de diabetes que você tem.

Em geral, as pessoas com tipo 2 que estão acima do peso parecem ter bons resultados com a dieta.

Se você tem diabetes tipo 1 e deseja experimentar a dieta cetogenica, é essencial que fale primeiro com seu médico. Você deve monitorar cuidadosamente sua glicose e observar sinais de cetoacidose.

Para ambos os tipos de diabetes, o ideal é fazer o tratamento com um nutricionista em conjunto com o seu médico, uma vez que pode ser necessário mudar os seus medicamentos e a dieta.

Você deve cortar os carboidratos da dieta para diabéticos?

Carboidratos fornecem combustível. Eles afetam o açúcar no sangue mais rapidamente do que as gorduras ou proteínas . Os alimentos ricos em carboidratos são principalmente:

  • Frutas
  • Leite e iogurte
  • Pão branco , cereais , arroz branco e macarrão
  • Vegetais com amido como batata, milho e feijão

Alguns carboidratos são simples, como o açúcar . Outros carboidratos são complexos, como os encontrados no feijão, nozes, vegetais e grãos integrais.

Os carboidratos complexos são melhores, porque demoram mais tempo para serem digeridos. Eles fornecem energia e fibras constantes.

Você já deve ter ouvido falar de “ contagem de carboidratos ”. Isso significa que você controla os carboidratos (açúcar e amido) que ingere todos os dias. Contar gramas de carboidratos e dividi-los igualmente entre as refeições ajudará você a controlar o diabetes.

Mas como contar os carboidratos da dieta?

Somente um nutricionista pode preparar uma dieta com contagem correta de carboidratos. Sozinho é praticamente impossível de se fazer.

A dieta cetogenica tem efeitos colaterais para os diabéticos:

Para os diabéticos a dieta sem carboidratos pode causar uma baixa na glicose em tempo record, mas ao longo do tempo, pode não ser uma boa ideia.

As dietas com baixo teor de carboidratos são controversas, uma vez que demonstraram induzir a cetose nutricional.

Este é um processo que ocorre quando o corpo tem quantidades insuficientes de carboidratos para queimar para obter energia.

Em vez disso, o corpo queima gordura para produzir corpos cetônicos como uma fonte alternativa de energia.

As dietas com restrição de carboidratos apresentam vários riscos, incluindo potenciais consequências adversas à saúde devido a altos níveis de gordura saturada, deficiências de nutrientes e questões ambientais e éticas.

Também pode fazer você se sentir cansado por algumas semanas até que seu corpo se adapte.

Os efeitos colaterais a longo e médio prazo, são preocupantes:

  • Hipoglicemia : embora a dieta possa reduzir a hemoglobina glicada ( A1c ), isso pode significar que você corre um risco maior da glicose cair muito, principalmente se você também estiver tomando remédios para diabetes. Por isso sempre fale com o seu médico antes de fazer a dieta cetogenica. 
  • Doenças cardíacas: a dieta enfatiza a ingestão de muita gordura. Se você comer muita gordura saturada (o tipo presente em alimentos como bacon e manteiga), isso pode aumentar o colesterol, especialmente o LDL ( ruim ) , que está relacionado a doenças cardíacas . Isso é um  problema comum nos diabéticos, uma vez que a própria doença aumenta a probabilidade de você ter doenças cardíacas. As gorduras consumidas na dieta cetogenica devem dos tipos mono e poli-insaturadas, como as presentes nos abacate, nas nozes e óleos de oliva e canola. Se consumir esse tipo de gordura, seus colesterol LDL e triglicerídeos podem baixar. Se você toma remédios para problemas cardíacos , como pressão alta , verifique com seu médico para ver se você precisa fazer alterações em seus medicamentos.

     

  • Falta de nutrientes: como muitos alimentos são proibidos na dieta cetogenica, incluindo algumas frutas, vegetais e laticínios, você pode perder nutrientes importantes. Por isso se trate com um nutricionista com especialização em diabetes e cetose nutricional para que você tenha todas as vitaminas e minerais que seu corpo precisa.

  • Problemas hepáticos e renais : O fígado e os rins ajudam o corpo a processar as gorduras e proteínas. Alguns especialistas alegam que a dieta cetogenica sobrecarrega esses órgãos. 

  • Constipação e hemorroidas: como você não come alimentos integrais, que são as principais fontes de fibra. Isso pode causar prisão de ventre e hemorroidas.
  • Cálculos biliares : se você perder peso rapidamente, terá maior probabilidade de ter cálculos biliares. Os alimentos ricos em fibras e gorduras saudáveis, previnem os cálculos biliares. Assim, fale sempre com seu médico sobre outras maneiras de tratar o diabetes e evitar problemas na vesícula biliar.

A dieta não se sustenta por mais de 12 meses

Um estudo descobriu que seguir uma dieta pobre em carboidratos por seis meses pode levar à remissão do diabetes sem complicações adversas. Houve um aumento significativo na remissão do diabetes com dietas de baixo carboidrato (32%).

Uma dieta baixa em carboidratos neste estudo também diminuiu o uso de medicamentos e levou a melhorias clinicamente importantes na perda de peso, nas concentrações de triglicerídeos e na resistência à insulina em seis meses. No entanto, esses benefícios eram menores em 12 meses.

Os participantes não sentiram nenhuma diferença significativa em sua qualidade de vida em seis meses. No entanto, houve uma piora clinicamente importante na qualidade de vida em pacientes que seguiram uma dieta restrita em carboidratos por 12 meses.

Este estudo foi limitado, pois se concentrou apenas em manter uma dieta pobre em carboidratos por um curto período para o controle do diabetes tipo 2. Mais pesquisas são necessárias para investigar a eficácia, segurança, efeitos na saúde e satisfação alimentar das dietas com restrição de carboidratos a longo prazo.

Uma revisão de estudos clínicos publicados no Lancet Public Health sugeriu que a longo prazo as dietas com baixo teor de carboidratos pode estar associado a maiores taxas de mortalidade.

O estudo sugere que os médicos podem considerar o uso de curto prazo de uma dieta baixa em carboidratos para controlar o diabetes tipo 2 enquanto monitoram e ajustam a medicação para diabetes, conforme necessário.

Conclusão:

Converse com seu médico antes de fazer a dieta cetogenica. Para alguns diabéticos, especialmente que precisam perder peso, essa forma de alimentação pode ajudar a melhorar os sintomas da diabetes e diminuir a necessidade de medicamentos. Mas para outros, a dieta cetogenica pode piorar o diabetes.

Fontes:

  • Cleveland Clinic: “What Is the Keto Diet (and Should You Try It)?” “How to Smoothly Transition Off the Keto Diet.”
  • Harvard Health Letter: “Should You Try The Keto Diet?”
  • Diabetes Therapy: “Effectiveness and Safety of a Novel Care Model for the Management of Type 2 Diabetes at 1 Year: An Open-Label, Non-Randomized, Controlled Study,” “Low Carbohydrate Diets and Type 2 Diabetes: What is the Latest Evidence?”
  • Nutrition & Metabolism: “A low-carbohydrate, ketogenic diet to treat type 2 diabetes.”
  • Nutrients: “Low-Carb and Ketogenic Diets in Type 1 and Type 2 Diabetes.”
  • CDC: “Diabetes: What’s Insulin Resistance Got To Do with It?”
  • Mayo Clinic: “Diabetic ketoacidosis.”
  • Diabetes Forecast: “What You Need to Know About the Ketogenic Diet.”
  • National Institutes of Health: “Dieting and Gallstones,” “Eating, Diet, and Nutrition for Gallstones.”
  • Goldenberg J e Johnston B. (2021). Dietas com baixo e muito baixo carboidrato para a remissão do diabetes. BMJ, 373 (262). Obtido em: https://www.bmj.com/content/373/bmj.n262
  • Goldenberg J, et al. (2021). Eficácia e segurança de dietas de baixo e muito baixo carboidrato para remissão do diabetes tipo 2: revisão sistemática e meta-análise de dados de ensaios clínicos randomizados publicados e não publicados. BMJ, 372 (4743). Obtido em: https://www.bmj.com/content/372/bmj.m4743
  • Seidelmann S, et al. (2018). Ingestão de carboidratos na dieta e mortalidade: um estudo de coorte prospectivo e meta-análise. Lancet Public Health, 3 (9), 419-428. Obtido em: https://www.thelancet.com/journals/lanpub/article/PIIS2468-2667(18)30135-X/fulltext

 

 

Gostou do artigo? Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *