Pular para o conteúdo
Início » O que é Insulina? [ Tipos ]

O que é Insulina? [ Tipos ]

o que é insulina - tipos

A insulina é um hormônio, os hormônios são compostos químicos presentes em nosso corpo que atuam como mensageiros. Eles ativam e desativam várias funções em nosso organismo. Veremos nesse artigo o que é a insulina, sua função e os tipos de insulina usadas por diabéticos.

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Qual é a função da insulina?

A sua função, como hormônio, é levar a mensagem até as células que seu corpo tem glicose disponível para ser usada como fonte de energia.

Essa mensagem é um sinal para que a membrana celular reconheça a glicose. Para que se “abra” e a glicose entre. Quando o sinal não reconhecido pela célula, então ocorre a resistência a insulina.

Quando o alimento chega ao sistema digestório, uma mensagem então enviada ao pâncreas. Um órgão que está acima do estômago, para produzir o hormônio. A quantidade produzida e liberada depende do nível de glicose na corrente sanguínea. Quanto maior o nível de glicose, maior a produção e liberação do hormônio pelo pâncreas.

Além disso, ela também quebra as gorduras e proteínas em pedaços menores. Que igualmente, são convertidos em glicose e por fim em energia.

Um processo delicado regula a relação insulina/glicose. Quando esse processo não funciona bem, ocorre o aumento (hiperglicemia) ou baixa de glicose (hipoglicemia) no sangue.

Quem descobriu a insulina

Uma equipe de pessoas descobriu a insulina.

Frederick G. Banting surgiu com uma maneira de extrair o extrato pancreático em 1921; John MacLeod, chefe de fisiologia da Universidade de Toronto, supervisionou esse processo; Charles Best, assistente de Banting, ajudou a refinar o processo, e um bioquímico chamado James Collip ajudou a purificar ainda mais a insulina para ter usada clinicamente. [ 1 ]

Tipos

Tipos de insulina

O diabético pode precisar tomar vários tipos de insulina diferentes. Baseado em quanto tempo é necessário para o hormônio funcionar.

Os tipos são baseados em vários fatores:

  • Velocidade ou rapidez da ação
  • Velocidade de pico, ou seja, quando atinge o máximo da ação
  • Duração ou tempo de ação
  • Concentração, medido em UI ( unidade internacional )
  • Via de administração, sub cutânea, intravenosa ou inalatória

A via mais usada é sub cutânea.

Insulina de ação rápida

Tem absorção extremamente rápida. Tomada para baixar a glicose e controlar picos de glicemia após a refeição.

  • Insulina de ação rápida: leva entre 5 e 15 minutos para fazer efeito. No entanto, o tamanho da dose altera a duração do efeito. Os efeitos duram 4 horas após a aplicação.
  • Insulina humana regular: O início do efeito da insulina humana regular é entre 30 minutos e uma hora, e dura cerca de 8 horas. Uma dose maior acelera o início do efeito, mas também retarda o pico (efeito máximo) da insulina humana regular.

Insulina de ação intermediária

Entra em ação na corrente sanguínea, mas lentamente. Entretanto seu efeito dura mais tempo. Muito usada a noite e entre as refeições.

  • Insulina humana NPH: Começa agir entre 1 e 2 horas e atinge seu pico dentro de 4 a 6 horas. Pode durar mais de 12 horas em alguns casos. Uma dose muito pequena acelera o efeito de pico, em contrapartida uma dose alta aumenta o tempo que a NPH leva para atingir seu pico e a duração total de seu efeito.
  • Insulina pré-misturada: Esta é uma mistura de NPH com uma insulina de ação rápida, e seus efeitos são uma combinação das insulinas de ação intermediária e rápida.

Insulina de ação prolongada

Embora a insulina de ação prolongada seja lenta para atingir a corrente sanguínea e tenha um pico relativamente baixo, ela tem um efeito estabilizador da glicose que pode durar a maior parte do dia.

É mais útil durante a noite, entre as refeições e durante períodos de jejuns.

A de ação prolongada têm um início de ação entre 90 min e 2 horas. Embora marcas diferentes tenham durações diferentes, elas variam entre 12 e 24 horas no total.

Conclusão:

É um hormônio vital que controla como as células e tecidos absorvem a glicose, bem como a quebra de gorduras e proteínas.

Células no pâncreas chamadas ilhotas secretam esse hormônio. Quando as células do corpo não respondem ao sinal do hormônio, então ocorre a resistência.

Em algumas pessoas, o sistema imunológico ataca as ilhotas, interrompendo a produção do hormônio o que causa o diabetes tipo 1. O diabetes tipo 2 é quando a resistência à insulina ocorre juntamente com a falta de produção de insulina.

Existem alguns tipos : rápidas, intermediárias e de ação prolongada. O diabético usa dependendo da rapidez com que precisa ter uma queda na glicose e a duração pela qual precisa controlar a glicose no sangue.

LEIA TAMBÉM:

Referências:

Deixe uma resposta

Coloque o código a seguir na página AMP (por exemplo, no footer/rodapé):
%d blogueiros gostam disto: