Pular para o conteúdo
Início » Diabético Pode Comer Sardinha em Lata?

Diabético Pode Comer Sardinha em Lata?

Diabético Pode Comer Sardinha em Lata - Fala sério Diabetes

Quem é diabético pode comer sardinha em lata?

Sim, quem é diabético pode comer sardinha em lata, e tem vários benefícios que vamos mostrar nesse artigo.

O diabético pode comer sardinha fresca ou em lata, mas é mais fácil encontrar em lata, pois tem uma validade maior. As pessoas que moram no litoral tem acesso mais fácil as sardinhas frescas. Mas para a grande maioria a opção é a sardinha em lata.

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Benefícios da sardinha para diabéticos

As sardinhas são ricas em vários nutrientes e são uma fonte incrivelmente rica em ácidos graxos ômega-3 e vitamina D.

É bom para o coração

 A sardinha em lata é bom para o coração

Foi constatado que as sardinhas ajudam na saúde cardiovascular. Elas são uma das fontes mais concentradas dos ácidos graxos ômega-3 EPA e DHA, que baixam os níveis de triglicerídeos e colesterol. Para se ter uma ideia, uma lata de sardinha contém, na verdade, mais de 50% do valor diário desses nutrientes.

Além disso, a sardinha também é uma excelente fonte de vitamina B12, fornecendo 137% das necessidades diárias.

A vitamina B12 melhora a saúde cardiovascular, pois mantém os níveis de homocisteína equilibrados; a homocisteína pode danificar as paredes das artérias, por isso é um grande fator de risco da aterosclerose.

Fortalece os ossos

As sardinhas são uma fonte rica de vitamina D que fortalece os ossos. Elas contêm 45 % das necessidades diárias de vitamina D em cada lata.

A vitamina D tem um papel essencial na saúde óssea, pois ajuda a aumentar a absorção de cálcio. Mas também são uma excelente fonte de fósforo, um mineral importante para o fortalecimento dos ossos.

É bom para os olhos

As sardinhas também fornecem 12% do valor diário (DVR) de riboflavina e 24% de niacina. A riboflavina pode ajudar a prevenir cataratas e enxaquecas, e a niacina pode diminuir o risco da doença de Alzheimer bem como melhorar os sintomas da artrite, de acordo com a University of Maryland Medical Center.

É rica em gorduras boas

Uma lata de sardinha em óleo tem : 191 calorias, 22,7 gramas de proteína e 10,5 gramas de gordura, mas apenas 1,4 gramas de gordura saturada.

Isso representa 16% do valor diário de gordura, 7% do da gordura saturada e 45% de proteína.

Mas sempre escolha as marcas de sardinhas com azeite de oliva. Evite as marcas com óleo de soja ou molho de tomate, isso porque a soja é rica em ômega6 e o molho de tomate contém conservantes.

Rápido e fácil de preparar

A sardinha é sem dúvida um alimento prático e fácil de preparar. Pode ser usado de várias formas, mas se for conservada em óleo de soja, o ideal é lavar antes de preparar para retirar o excesso de óleo.

Para preparar as sardinhas frescas inteiras, retire as vísceras e lave bem antes de preparar. Para os diabéticos a melhor forma de fazer é assada no forno, ou na pressão, com legumes e tomates. 

Conclusão:

A história da sardinha em lata remonta do imperador Napoleão Bonaparte, pois foi ele quem iniciou o enlatamento das sardinhas. Foi o primeiro peixe a ser enlatado no mundo.

As sardinhas têm o nome da Sardenha, a ilha italiana onde antigamente eram encontrados grandes cardumes desses peixes.

O diabético pode compre a sardinha em lata sem problemas, e tem vários benefícios. Mas sempre escolha os tipos e marcas de sardinha em lata conservadas em azeite.

E você, gosta de sardinha em lata? Tem uma receita especial? Deixe um comentário abaixo. 

Se gostou desse artigo, ajude mais diabéticos compartilhando em suas redes sociais e também no WhatsApp. 

Deixe uma resposta Cancelar resposta

Sair da versão mobile