5 Suplementos para Baixar a Glicose

5 Suplementos para Baixar a Glicose

Gostou do artigo? Compartilhe!

Embora mudar sua dieta ou praticar mais exercícios possa ajudar a controlar o diabetes , também existem muitos suplementos para baixar a glicose. Por exemplo, vitamina D, magnésio, cromo entre outros.

Mas, lembre-se de que esses suplementos não têm como objetivo substituir os medicamentos para diabetes . O que eles podem fazer é servir como complementos para baixar a glicose no sangue, desde que aprovados por seu médico.

Aqui está uma visão geral dos 7 suplementos para baixar a glicose, comprovados por estudos científicos.

Se você tem hiperglicemia ou pressão alta, isso significa que seus níveis de glicose no sangue estão muito altos.

Frequentemente, causados pelo diabetes . O diabetes tipo 1 é quando seu corpo não produzir insulina suficiente, e no diabetes tipo 2 , não utiliza esse hormônio de maneira adequada.

As complicações do diabetes podem ter um grande impacto negativo na sua saúde, afetando tudo, desde seus olhos, rins, coração, nervos e muito mais…

Índice:

  1. Vitamina D
  2. Magnésio
  3. Cromo
  4. Berberina
  5. Ácido alfa-lipóico
  6. Comprar suplementos

Suplementos que baixam a glicose

Vitamina D

A vitamina D , ou a “vitamina do sol”, é gerada quando seu corpo é exposto aos raios ultravioleta do sol.

Ajuda a fortalecer os ossos. A deficiência de vitamina D tem efeitos negativos em seu corpo, incluindo um risco maior de diabetes tipo 2.

Um estudo de 2019 descobriu que a vitamina D pode melhorar a sensibilidade à insulina, reduzindo os níveis de glicose e o risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Os pesquisadores examinaram 680 mulheres no Brasil com idades entre 35 e 74 anos. Eles descobriram que os suplementos de vitamina D baixam a glicose.

A exposição regular ao sol também foi associada a níveis mais baixos de glicose no sangue.

Um estudo de 2015 descobriu que a ingestão diária de suplementos de vitamina D resultou na melhora dos níveis de glicose no sangue e de glicose no sangue em jejum.

Outro estudo de 2016 confirmou essas descobertas. Embora enfatizando que mais pesquisas precisam ser realizadas, os autores concluíram que a suplementação de vitamina D pode ter efeitos benéficos no controle do índice glicêmico.

Como tomar vitamina D

Consulte seu médico para saber a melhor dosagem de vitamina D para você antes de usar.

É recomendável que você faça uma dieta equilibrada e nutritiva para garantir que obtenha todos os nutrientes de que seu corpo precisa.

Precauções

Os suplementos de vitamina D podem interagir com vários medicamentos, incluindo: 

  • Xenical, Alli (orlistat) : medicamentos para perder peso podem reduzir a absorção de vitamina D quando incluídos em uma dieta com baixo teor de gordura.
  • Estatinas : devido ao fato de que a vitamina D é derivada do colesterol, várias estatinas podem, na verdade, prejudicar a síntese da vitamina D. Também pode haver uma diminuição na absorção de certas estatinas com doses mais altas da vitamina D.
  • Prednisona: esteróides como a prednisona, que são prescritos para a inflamação, podem reduzir a absorção de cálcio e prejudicar a metabolização da vitamina D.
  • Diuréticos tiazídicos : Quando combinados com a vitamina D, esses diuréticos podem levar à hipercalcemia, onde os níveis de cálcio são muito altos, especialmente em idosos.

Alguns riscos estão associados ao consumo excessivo de vitamina D. Como essa vitamina aumenta a absorção de cálcio pelo corpo no trato gastrointestinal, o excesso de vitamina D pode levar à hipercalcemia. Além disso, o excesso de vitamina D pode causar insuficiência renal, mas apenas em casos extremos. Também pode resultar na calcificação de tecidos moles, como as válvulas do coração, causando batimentos cardíacos irregulares e até a morte. 

Magnésio

O magnésio é um mineral comum que desempenha um papel importante na regulação da pressão arterial, função muscular, ritmo cardíaco e níveis de glicose no sangue.

Em geral, as dietas com maiores quantidades de magnésio estão associadas a um menor risco de diabetes, o que sugere que ele desempenha um papel no metabolismo da glicose.

Um estudo de 2019 mostrou que tomar suplementos orais de magnésio reduz a resistência à insulina e melhorou a regulação glicêmica em pessoas com diabetes tipo 2.

Leia também: Deficiência de Magnésio piora Diabetes Tipo 2

Como tomar Magnésio

Os suplementos de magnésio vêm em diferentes formas. Alguns incluem óxido de magnésio e citrato, bem como cloreto. É recomendado que você tome magnésio junto da refeição todos os dias para melhor absorção.

Precauções

Os suplementos de magnésio podem interagir com medicamentos, incluindo antibióticos e diuréticos.

Consulte seu médico e informe os medicamentos que você está tomando para evitar qualquer interação.

Doses elevadas de suplementos de magnésio podem causar náuseas, cólicas abdominais e distensão abdominal, bem como diarreia.

Óxido, cloreto, gluconato e carbonato de magnésio são as formas que tendem a causar diarreia e outros problemas gastrointestinais.

Tomar grandes doses de laxantes e antiácidos que contêm magnésio causa toxicidade.

Cromo

O cromo é um mineral natural encontrado em certos alimentos.

Ele vem em duas formas: hexavalente (cromo 6+) e trivalente (cromo 3+). A forma trivalente é a que você provavelmente encontrará em forma de suplementos e é encontrada nos alimentos. No entanto, você deve evitar sua forma hexavalente, que é tóxica e encontrada em resíduos industriais e poluição.

Uma revisão de 2014 encontrou benefícios na suplementação de cromo no controle glicêmico em pacientes com diabetes.  Isso foi repetido anos antes por uma revisão mais antiga que chegou a uma conclusão semelhante, mas como com muitos dos suplementos, os autores aconselharam cautela e que mais pesquisas deveriam ser realizadas para determinar melhor os efeitos do cromo na saúde. 

Como tomar cromo

Não existe uma dose diária recomendada estabelecida para o cromo. Geralmente, os suplementos multivitamínicos ou minerais que contêm cromo têm doses de 35-120 mcg. Você também pode encontrar suplementos que são exclusivamente de cromo, que fornecem 200 mcg a 500 mcg do mineral. Alguns podem chegar a 1.000 mcg, mas não são tão comuns.

Precauções

Alguns medicamentos podem interagir com suplementos de cromo. A insulina é uma delas, pois aumenta o risco de hipoglicemia. A metformina e outros medicamentos para diabetes tomados em conjunto com o cromo também apresentam esse risco.

Um pequeno estudo mostrou que suplementos de picolinato de cromo tomados ao mesmo tempo para o tratamento de hipotireoidismo levotiroxina podem atrasar a absorção desse medicamento por mais de seis horas. 

Pessoas com doenças renais e hepáticas podem ter pioras nos sintomas piores de sua condição se ingerirem muito cromo. Alguns sintomas isolados incluem perda de peso, anemia, disfunção hepática, trombocitopenia, insuficiência renal, rabdomiólise, dermatite e hipoglicemia.

Berberina

A berberina é um composto químico extraído das raízes, caule e casca das plantas. Está incluído como ingrediente em vários suplementos para baixar a glicose e tem sido usado não só na medicina tradicional chinesa mas também na indiana. A berberina é usada no tratamento de diabetes tipo 2, hipertensão e hiperlipidemia.

Um estudo de 2019 examinou 80 pessoas que estavam no hospital por síndrome metabólica de janeiro de 2017 a dezembro de 2017. Eles foram divididos pela metade em um grupo de controle e um grupo de observação, com o grupo de controle sendo tratado com terapias e medicamentos comum e o grupo de observação com terapia à base de berberina.

Os pesquisadores concluíram que a aplicação combinada de berberina em pacientes com síndrome metabólica regulou a glicose e o colesterol no sangue, melhorou a resistência à insulina e reduziu o nível de inflamação no corpo.

A Berberina tem se mostrado incrivelmente eficaz, se comparando aos tratamentos tradicionais para diabetes.

Uma meta-análise de 2014 concluiu que a berberina é tão eficaz que pode ser uma boa alternativa à medicina tradicional.

Os autores concluem que a berberina é um dos melhores suplemento que baixam a glicose, principalmente em diabéticos tipo 2 . Além disso, tem um custo relativamente baixo e sem efeitos colaterais graves.

Tal como acontece com outros suplementos, é necessário realizar mais pesquisas sobre os benefícios da berberina.

Como tomar berberina

Tomar 500 mg de berberina duas a três vezes ao dia por até três meses ajuda a controlar os níveis de glicose no sangue.

Precauções

A berberina tem algumas interações com medicamentos que você já pode estar tomando. Lembre-se de que esta não é uma lista completa e que pode haver outras interações:

  • Ciclosporina : a berberina pode diminuir a velocidade com que seu corpo decompõe este medicamento, o que pode fazer com que ele se acumule e exacerbe os efeitos colaterais.
  • Medicamentos para diabetes: a berberina pode baixar a glicose no sangue e, quando combinada com outros medicamentos para diabetes, você corre o risco de ter hipoglicemia.
  • Dextrometorfano: a berberina pode reduzir a capacidade do seu corpo de decompor rapidamente o dextrometorfano.
  • Diluentes de sangue (anticoagulantes ou antiplaquetários): Tendo em conta que a berberina pode retardar a coagulação do sangue, tomar junto com diluentes de sangue pode exacerbar este processo, aumentando o risco de sangramento e hematomas.

A berberina pode causar alguns problemas gastrointestinais, como diarreia, cólicas ou prisão de ventre. Não é seguro usar em recém-nascidos, e as grávidas ou que estão amamentando devem evitar o uso deste suplemento.

Ácido alfa-lipóico

O ácido alfa-lipóico é um composto encontrado dentro de cada célula do corpo humano. Ele converte sua glicose em energia por meio de oxigênio. Isso é chamado de metabolismo aeróbio.

Um estudo de 2012 pesquisou 38 pessoas com diabetes tipo 2 que receberam tratamentos diários de 300, 600, 900 e 1.200 mg de ácido alfa-lipóico durante seis meses. Após o tratamento, os participantes foram monitorados quanto ao seu estado de glicose e biomarcadores oxidativos. Os pesquisadores descobriram que os níveis de glicose no sangue em jejum e A1C desses indivíduos diminuíram em medida com o aumento da dosagem.

Outra revisão de 2011, examinando como o ácido alfa-lipóico tem sido usado para tratar diabetes citou o impacto do composto nos níveis de glicose, mas se concentrou mais em seu papel como antioxidante. A maior parte da pesquisa disponível enfocou esse elemento na eficácia do suplemento.

Uma revisão de 2019 examinou uma série de estudos sobre a eficácia do ácido alfa-lipóico. A análise oferece um resultado misto – enquanto algumas pesquisas foram promissoras, outras mostraram que o ácido alfa-lipóico não era mais eficaz do que os placebos administrados aos participantes. No geral, os autores sugeriram que, embora algumas pesquisas sejam positivas, mais estudos com amostras maiores precisam ser conduzidas para traçar um quadro mais conclusivo desse suplemento. 

Como usar o ácido alfa-lipóico

A dosagem do ácido alfa-lipóico varia muito. Um estudo citou uma faixa de dosagem de 600 mg a até 1.200 mg por dia antes da refeição.

Precauções

O ácido alfa-lipóico pode interagir com alguns medicamentos, incluindo medicamentos para diabetes, medicamentos para quimioterapia, medicamentos para a tireoide e vitamina B1. Como sempre, consulte seu médico antes de tomar qualquer novo suplemento.

Em geral, o ácido alfa-lipóico é razoavelmente seguro de tomar e os efeitos colaterais são raros. Não foi estudado em mulheres grávidas ou que estão amamentando. Os efeitos colaterais conhecidos incluem fadiga, diarreia, erupção cutânea e insônia. Dado que o ácido alfa-lipóico reduz o glicose no sangue, as pessoas com glicose baixa e diabetes devem consultar o seu médico antes de tomar este suplemento.

Conclusão:

Antes de tomar qualquer novo medicamento ou suplemento para baixar a glicose, consulte seu médico antes e converse sobre quaisquer possíveis efeitos colaterais ou interações com outros medicamentos.

Embora todos esses suplementos tenham demonstrado ser úteis para baixar a glicose no sangue, fique ciente de como eles podem afetar sua saúde ou seus tratamentos para outras doenças que você tenha. 

Isenção de responsabilidade:

Esse artigo é meramente informativo e não deve ser usado como substituto da consulta médica. Não tome suplementos ou chás ou qualquer outro remédio caseiro para diabetes antes de informar seu médico.

Comprar suplementos

BAIXE GRÁTIS O LIVRO DIGITAL COM 25 ALIMENTOS PARA DIABÉTICOS

Sua assinatura não pôde ser validada.
Você fez sua assinatura com sucesso.

BAIXE GRÁTIS

Preencha o Formulário Abaixo para Receber seu e-book

O campo SMS deve conter entre 6 e 19 dígitos e incluir o código do país sem usar +/0 (por exemplo: 1xxxxxxxxxx para os Estados Unidos)
?

Clique no botão abaixo para receber seu e-book. Um e-mail de confirmação será enviado para você. Verifique sua caixa de entrada, caso não receba, veja sua caixa de SPAM e marque nosso contato como seguro.

Ou baixe via WhatsApp

Fontes:

  1. Cleveland Clinic. Hiperglicemia (alto nível de açúcar no sangue) . Atualizado em 12 de fevereiro de 2020.

  2. Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa. Diabetes e suplementos dietéticos . Atualizado em maio de 2018.

  3. Suksomboon N, Poolsup N, Punthanitisarn S. Efeito de aloe vera no controle glicêmico em pré-diabetes e diabetes tipo 2: uma revisão sistemática e meta-análise . J Clin Pharm Ther . 2016; 41 (2): 180-188. doi: 10.1111 / jcpt.12382

  4. Zhang Y, Liu W, Liu D, Zhao T, Tian H. Eficácia da suplementação de aloe vera em pacientes com diabetes pré-diabetes e não tratados precoces: uma revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos randomizados . Nutrientes . 2016; 8 (7): 388. doi: 10.3390 / nu8070388

  5. Yongchaiyudha S, Rungpitarangsi V, Bunyapraphatsara N, Chokechaijaroenporn O. Atividade antidiabética do suco de Aloe vera L.. I. Ensaio clínico em novos casos de diabetes mellitus . Fitomedicina . 1996; 3 (3): 241-243. doi: 10.1016 / S0944-7113 (96) 80060-2

  6. Diabetes.co.uk. Aloe vera e diabetes . Publicado em 15 de janeiro de 2019.

  7. Guo X, Mei N. Aloe vera : uma revisão da toxicidade e efeitos clínicos adversos . J Environ Sei Saúde C Environ Carcinog Ecotoxicol Rev . 2016; 34 (2): 77-96. doi: 10.1080 / 10590501.2016.1166826

  8. Memorial Sloan Kettering Cancer Center. Aloe vera . Atualizado em 14 de abril de 2021.

  9. Romeo GR, Lee J, Mulla CM, Noh Y, Holden C, Lee BC. Influência da canela no controle glicêmico em indivíduos com pré-diabetes: um ensaio clínico randomizado . J Endocr Soc . 2020; 4 (11): bvaa094. doi: 10.1210 / jendso / bvaa094

  10. Ziegenfuss TN, Hofheins JE, Mendel RW, Landis J, Anderson RA. Efeitos de um extrato de canela solúvel em água na composição corporal e características da síndrome metabólica em homens e mulheres pré-diabéticos . J Int Soc Sports Nutr . 2006; 3: 45-53. doi: 10.1186 / 1550-2783-3-2-45

  11. Rafehi ​​H, Ververis K., Balcerczyk A, et al. Investigação das propriedades biológicas de Cinnulin PF no contexto de diabetes: percepções mecanísticas por análise de mRNA-Seq de todo o genoma . Pathobiol Aging Age Relat Dis . 2012; 2. doi: 10.3402 / pba.v2i0.11905

  12. Khan A, Safdar M, Ali Khan MM, Khattak KN, Anderson RA. A canela melhora a glicose e os lipídios de pessoas com diabetes tipo 2 . Diabetes Care . 2003; 26 (12): 3215-3218. doi: 10.2337 / diacare.26.12.3215

  13. Cleveland Clinic. A ingestão de suplementos de canela pode reduzir o açúcar no sangue? Publicado em 23 de dezembro de 2020.

  14. Park SK, Garland CF, Gorham ED, BuDoff L, Barrett-Connor E. Concentração plasmática de 25-hidroxivitamina D e risco de diabetes tipo 2 e pré-diabetes: estudo de coorte de 12 anos . PLOS ONE . 2018; 13 (4): e0193070. doi: 10.1371 / journal.pone.0193070

  15. Valladares T, Cardoso MR, Aldrighi JM. Níveis séricos mais elevados de vitamina D estão associados a níveis mais baixos de glicose no sangue , menopausa . 2019; 26 (7): 781-784. doi: 10.1097 / GME.0000000000001308

  16. Mohamad MI, El-Sherbeny EE, Bekhet MM. O efeito da suplementação de vitamina D no controle glicêmico e perfil lipídico em pacientes com diabetes mellitus tipo 2 . J Am Coll Nutr . 2016; 35 (5): 399-404. doi: 10.1080 / 07315724.2015.1026427

  17. Foroughi M, Maghsoudi Z, Askari G. O efeito da suplementação de vitamina D no açúcar no sangue e diferentes índices de resistência à insulina em pacientes com doença hepática gordurosa não alcoólica (Nafld) . Iran J Nurs Midwifery Res . 2016; 21 (1): 100-104. doi: 10.4103 / 1735-9066.174759

  18. Instituto Nacional de Saúde. A vitamina D . Atualizado em 26 de março de 2021.

  19. Instituto Nacional de Saúde. Magnésio . Atualizado em 29 de março de 2021.

  20. ELDerawi WA, Naser IA, Taleb MH, Abutair AS. Os efeitos da suplementação oral de magnésio na resposta glicêmica entre pacientes com diabetes tipo 2 . Nutrientes . 2018; 11 (1): 44. doi: 10.3390 / nu11010044

  21. Diabetes.co.uk. Melão amargo e diabetes . Publicado em 15 de janeiro de 2019.

  22. Blum A, Loerz C, Martin HJ, Staab-Weijnitz CA, extrato de Maser E. Momordica charantia , um remédio à base de ervas para diabetes tipo 2, contém um inibidor específico de 11β-hidroxisteróide desidrogenase tipo 1 . J Steroid Biochem Mol Biol . 2012; 128 (1-2): 51-55. doi: 10.1016 / j.jsbmb.2011.09.003

  23. Joseph B, Jini D. Efeitos antidiabéticos de Momordica charantia (melão amargo) e sua potência medicinal . Asiático Pac J Trop Dis . 2013; 3 (2): 93-102. doi: 10.1016 / S2222-1808 (13) 60052-3.

  24. Erden I, Ordu S, Erden EC, Caglar SO. Um caso de fibrilação atrial devido a Momordica charantia (melão amargo) . Ann Saudi Med . 2010; 30 (1): 86-87. doi: 10.4103 / 0256-4947.59372.

  25. Brala PM, Hagen RL. Efeitos da percepção de doçura e valor calórico de uma pré-carga na ingestão de curto prazo . Physiol Behav . 1983; 30 (1): 1-9. doi: 10.1016 / 0031-9384 (83) 90030-6

  26. Tiwari P, Mishra BN, Sangwan NS. Propriedades fitoquímicas e farmacológicas de Gymnema sylvestre : uma importante planta medicinal . Biomed Res Int . 2014; 2014: 830285. doi: 10.1155 / 2014/830285

  27. Kumar SN, Mani UV, Mani I.  Um estudo aberto sobre a suplementação de Gymnema sylvestre em diabéticos tipo 2 . J Diet Suppl . 2010; 7 (3): 273-282. doi: 10.3109 / 19390211.2010.505901

  28. A Clínica Marion Gluck. Como a gimnema pode regular o açúcar no sangue e reduzir os desejos .

  29. RxList. Gymnema . Atualizado em 11 de junho de 2021.

  30. Jenkins AL, Morgan LM, Bishop J, Jovanovski E, Jenkins DJA, Vuksan V.  Co-administração de uma mistura de fibra à base de konjac e ginseng americano ( Panax quinquefolius L.) no controle glicêmico e lipídios séricos no diabetes tipo 2: um randomizado ensaio clínico cruzado controlado . Eur J Nutr . 2018; 57 (6): 2217–2225. doi: 10.1007 / s00394-017-1496-x

  31. Shishtar E, Sievenpiper JL, Djedovic V, et al. O efeito do ginseng (o gênero Panax ) no controle glicêmico: uma revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos controlados randomizados . PLOS ONE . 2014; 9 (9): e107391. doi: 10.1371 / journal.pone.0107391

  32. MedlinePlus. Ginseng americano . Atualizado em 23 de outubro de 2020.

  33. Suksomboon N, Poolsup N, Yuwanakorn A. Revisão sistemática e meta-análise da eficácia e segurança da suplementação de cromo no diabetes . J Clin Pharm Ther . 2014; 39 (3): 292-306. doi: 10.1111 / jcpt.12147

  34. Cefalu WT, Hu FB. Papel do cromo na saúde humana e no diabetes . Diabetes Care . 2004; 27 (11): 2741-2751. doi: 10.2337 / diacare.27.11.2741

  35. Instituto Nacional de Saúde. Cromo . Atualizado em 29 de março de 2021.

  36. Lan J, Zhao Y, Dong F, et al. Meta-análise do efeito e segurança da berberina no tratamento da diabetes mellitus tipo 2, hiperlipemia e hipertensão . J Ethnopharmacol.  23 de fevereiro de 2015; 161: 69-81. doi: 10.1016 / j.jep.2014.09.049

  37. Cao C, Su M. Efeitos da berberina no metabolismo glicose-lipídio, fatores inflamatórios e resistência à insulina em pacientes com síndrome metabólica . Exp Ther Med . 2019; 17 (4): 3009-3014. doi: 10.3892 / etm.2019.7295

  38. Yin J, Xing H, Ye J. Eficácia da berberina em pacientes com diabetes mellitus tipo 2 . Metabolismo . 2008; 57 (5): 712-717. doi: 10.1016 / j.metabol.2008.01.013

  39. Gomes MB, Negrato CA. Ácido alfa-lipóico como um composto pleiotrópico com potencial uso terapêutico em diabetes e outras doenças crônicas . Diabetol Metab Syndr . 2014; 6 (1): 80. doi: 10.1186 / 1758-5996-6-80

  40. Porasuphatana S, Suddee S, Nartnampong A, Konsil J, Harnwong B, Santaweesuk A. Estado glicêmico e oxidativo de pacientes com diabetes mellitus tipo 2 após administração oral de ácido alfa-lipóico: um estudo duplo-cego randomizado controlado por placebo . Asia Pac J Clin Nutr . 2012; 21 (1): 12-21.

  41. Golbidi S, Badran M, Laher I. Diabetes and alpha lipoic acid . Front Pharmacol . 2011; 2. doi: 10.3389 / fphar.2011.00069

  42. Ebada MA, Fayed N., Fayed L., et al. Eficácia do ácido alfa-lipóico no tratamento do diabetes mellitus: uma revisão sistemática e meta-análise . Iran J Pharm Res . 2019; 18 (4): 2144-2156. doi: 10.22037 / ijpr.2019.1100842

  43. Monte Sinai. Ácido alfa-lipóico .

 

Gostou do artigo? Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *